Estamos na era da informação, mas será que estamos bem informados? Será que é real o que a gente lê? Principalmente nas redes sociais? O fenômeno “fake news” alavancou demais a dúvida sobre a realidade e hoje vemos um enorme terrorismo de notícias que nem sabemos se realmente são verídicas. Será que estamos vivendo num mundo ilusório? É importante salientar que nessa mesma era da informação, a opinião é uma coisa que todo mundo tem. E isso é catastrófico.

Não só pela banalização das notícias, mas pela banalização das profissões. Como saber se um site tem credibilidade? Se os jornalistas são confiáveis? Vivemos num mundo achando que estamos em pleno contato com a realidade quando esquecemos que a realidade vai muito além de uma notícia na internet. Pessoas sem gabarito algum hoje deram voz a ignorância e o ódio. Isso é preocupante e está deixando essa rede em estado de alienação

Não podemos deixar de checar se realmente estamos no caminho certo e se estamos sendo realmente bem informados. O mundo real – digo, aquele que você conversa com o vizinho sobre política, está desaparecendo. Precisamos criar micro políticas e desenvolver estratégias para a melhora do País sem depender exclusivamente das informações vistas nos noticiários

Estamos a beira da loucura! A verdadeira realidade não é das melhores, mas está nas ruas, nas manifestações artísticas, no entretenimento… E na nossa forma de fazer política! Você é uma pessoa política? Você se preocupa com o próximo? Um fato que me chamou atenção é que no Rio de Janeiro foi abolido o uso do plástico. Não temos mais canudos plásticos, pois isso era prejudicial ao Meio ambiente.

Agora eu te pergunto: você preocupa com isso?

Não adianta só reclamar, jogar lixo no chão e discursar ódio. Porque somos seres políticos! O Amor é um ato político e muito esquecido. Vamos voltar à realidade? Que tal espalhar boas informações? Por mais que estejamos carentes disso, não podemos perder a esperança porque o pessimismo pra mim não passa de um alerta de que somos seres que pensam muito pouco.

Se informem, verifiquem, estudem, leiam… Não banalizem a história do nosso País.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Daniel Velloso
Daniel Velloso nasceu em 1985 é escritor, amante de Filosofia e Psicologia, começou a ler Nietzsche com 15 anos e é fã de Zygmunt Bauman. Apaixonado pelo Mar, sua grande inspiração.