“Ele tem problema mental!”, exclamou um site de noticias sobre uma pessoa que estuprou uma menina de 12 anos. De fato, ele tem problema mental, sim. Mas o estigma da doença mental precisa ser quebrado e reconhecido como um objeto diferente dos vistos em filmes e estereotipado como a causa maior de atrocidades que acontecem no Mundo. Vivemos numa sociedade doente! Será que isso é prerrogativa pra matar pessoas? Vivemos estressados, cansados, corrupção, desemprego, falta de amor…

Uma pessoa com um problema mental precisa de tratamento, isso é fato. Aliás, a sociedade precisa de um antídoto para o veneno chamado egoísmo e falta de amor. Ninguém se ama mais, as pessoas não se respeitam, ninguém tem empatia e falta muita conscientização.  A Esquizofrenia, por exemplo, é um das doenças mais ligadas a Psicopatia. O que é um erro brutal.

O esquizofrênico é amoroso e precisa ser bem tratado. Na hora de uma crise, ele pode ser violento sim, mas jamais teria a brutalidade ou a sagacidade de cometer os crimes que vem acontecendo hoje em dia. Aliás, o único problema do esquizofrênico é não ser entendido pela falta de informação da própria sociedade que os rotula. Costumo dizer que é impossível não surtar num Mundo onde não se tem esperança de melhora tanto na política, na sociedade e no Mundo.

Precisamos nos tratar, todos nós. E sermos menos egoístas! E não culpar a nossa mente que produz tudo que fazemos ou sermos culpados pelos nossos atos de mentes doentias que foram subordinadas ao total despreparo da família, amigos e principalmente o caráter que mostra o que realmente uma pessoa faz no seu dia a dia.

É bem simples: não adianta botar a culpa num problema mental se vivemos numa sociedade extremamente doente. E quem comete crimes bárbaros tem que pagar por eles sendo ou não submetidos a exames de sanidade. Porque se teve a coragem e a astúcia maldosa de cometer o crime, terá que pagá-lo e pensar pro resto da vida sobre o que cometeu para que possa voltar a sociedade.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Daniel Velloso
Daniel Velloso nasceu em 1985 é escritor, amante de Filosofia e Psicologia, começou a ler Nietzsche com 15 anos e é fã de Zygmunt Bauman. Apaixonado pelo Mar, sua grande inspiração.