Encontrei um trecho de um livro bem interessante da editora Integrare falando sobre a falta de tempo, o livro se chama À sombra da Cerejeira – Um diálogo sobre a verdadeira cereja da vida, de Gabriel Carneiro Costa. Confira.

“Vivemos em um tempo frenético, de multitarefas, diversos interesses, listas de metas, agendas lotadas e um avanço da tecnologia que tem o lado negativo de nos manter conectados em questões das quais, em alguns momentos, gostaríamos de estar “desligados”.

O tempo é a coisa mais preciosa que temos, e o foco em nós mesmos é a grande virtude para uma vida mais feliz. Assim, não vejo investimento melhor do que pensar em si mesmo. Isso não significa ausência de pensamento e atitudes que contribuam para pessoas à nossa volta. Mas, lamento muito a quantidade de gente que me conta não ter mais tempo para pensar em suas próprias vidas.

Muitas vezes, a felicidade é percebida em um estilo de vida mais simplificado. Não me refiro a questões financeiras e materiais, afinal, não estou tratando de uma vida simplória, mas, sim, simplificada. Nós complicamos demais as nossas relações, com dificuldades e desafios.

Dentre alguns hábitos simples e possíveis à imensa maioria da população, e que é um dos grandes responsáveis pela percepção de felicidade, destaco: cercar-se de pessoas felizes, apreciar pequenos prazeres, permitir-se perder a noção do tempo, trocar conversas profundas por bate-papos, reconhecer o lado bom da vida e gostar de práticas ao ar livre. Todos esses itens são simples, mas, infelizmente, difíceis de serem executados quando a nossa busca está em sermos pessoas focadas no “sucesso profissional” para sermos felizes. Aliás, quanto mais tempo passamos “buscando ser feliz”, menos tempo “somos de fato”.

Livro: À sombra da Cerejeira – Um diálogo sobre a verdadeira cereja da vida, de Gabriel Carneiro Costa. Editora Integrare. Veja original aqui.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS