Segundo a antropóloga e psicóloga norte-americana Susan Andrews, pessoas mais felizes têm sistemas imunológicos mais fortes, têm melhor desempenho no trabalho, adoecem menos, vivem mais e têm casamentos mais sólidos, para a pesquisadora bens materiais não significam aumento de felicidade, se as necessidades básicas e conforto já estão satisfeitos. Segundo o escritor brasileiro Mino de Oliveira, o consumismo atual é reflexo da “Síndrome do Vazio Interior” que se traduz em infelicidade. Veja a matéria completa abaixo.

Para o escritor Mino de Oliveira, autor do livro “Realizo, Logo Sou”, mede-se a infelicidade de um povo pelo volume dos bolões das loterias; pelo aumento surpreendente de religiões e pela altura dos muros, grades e cerca eletrificada nas residências. Para o autor, a nossa cultura está infeliz, e uma cultura infeliz se auto-agride e o meio ambiente sofre o efeito, nós somos a causa. O escritor defende que o único caminho para SER é REALIZAR e pede para os leitores reciclarem seus valores que o resultado — o efeito — será uma mudança de hábitos e atitudes. Segundo o autor, a mudança é de dentro para fora.
Quem também mediu o nível de felicidade humana e de forma científica foi a antropóloga e psicóloga Susan Andrews formada em Harvard (EUA), responsável pela divulgação da metodologia do FIB (Felicidade Interna Bruta). Segundo ela, comprovadamente, pessoas mais felizes têm sistemas imunológicos mais fortes, têm melhor desempenho no trabalho, adoecem menos, vivem mais, têm casamentos mais sólidos.
Os estudos sobre o que gera felicidade no ser humano cresceram vertiginosamente nas últimas décadas, mostrando que a ciência pode ser grande aliada na discussão do assunto. Baseada em amplas pesquisas, a dra. Susan Andrews aponta que alguns dos fatores que realmente aumentam nossa Felicidade Interna Bruta (FIB) e que tornam nosso cotidiano mais pleno são fazer o bem, praticar ioga, aprofundar a respiração, estreitar os laços afetivos e meditar.

Susan comprova com dados estatísticos e pesquisas internacionais que se as necessidades básicas são satisfeitas, novos acréscimos em bens materiais não significam aumento de felicidade. Prova disso é que a população norte-americana triplicou sua riqueza nos últimos 50 anos, mas a população está mais infeliz, o que pode ser comprovado pelo aumento do número de suicídios, divórcios, depressão, etc. A depressão, inclusive, se tornou uma das principais doenças da sociedade contemporânea. São esses os principais fatores que têm motivado a investigação científica, uma vez que o maior conhecimento sobre o que constitui a felicidade e como medi-la permitirá construir políticas mais eficientes, com reflexos positivos sobre a saúde pública.

Já para o Mino de Oliveira essa eterna insatisfação com bens materiais se explica pelo que o autor chama de Síndrome do Vazio Interior. As pessoas podem ganhar dinheiro, comprar o que quiserem, podem viajar, trocar de parceiro, que a sensação de VAZIO continua. A proposta do escritor é que esse Vazio deve ser preenchido com a Realização. Segundo o autor, o único caminho para SER é REALIZAR. Somente realizando o ser humano conseguirá estar em paz consigo mesmo para conseguir manter boas relações interpessoais e deixar de ser escravo do sistema. Ambos os autores sugerem a meditação como forma de se integrar com a vida e resgatar seu propósito que a Dra Susan Andrews chama de Significado e que Mino de Oliveira chama de Realização. Oxalá encontremos todos nós os nossos propósitos de vida, pois uma Vida Simples e PLENA é tudo que precisamos para ser FELIZ.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS