David Benatar autor do livro chamado ‘Melhor nunca ter existido’ diz que poderia ser considerado “o filósofo mais pessimista do mundo”. Ele defende que devemos suspender procriação até que humanidade seja extinta, um dos motivos é que a vida é cheia de dor e sofrimento.


A BBC Mundo, conversou com o filósofo para entender em que se baseia a teoria de um dos maiores expoentes da corrente conhecida como “antinatalismo”.

Inline

Veja um trecho da entrevista da BBC com David Benatar publicado no site Terra.

BBC – Você pode por favor explicar o que a corrente conhecida como ‘antinatalismo’ defende?

David Benatar – O antinatalismo defende que não deveriam nascer novas pessoas no mundo.

BBC – Por que não?

David Benatar – Há várias razões, para mim. Uma delas é que nós não deveríamos dar vida para pessoas que no futuro vão enfrentar sofrimento. Há muitos argumentos a respeito, mas um deles é que há muita dor e sofrimento na existência humana. Por isso que é um horror trazer novos seres humanos ao mundo.

BBC – Mas também há coisas boas na vida…

David Benatar – Sim, também há coisas boas. Mas a questão é se essas coisas boas valem a pena ante a dor das coisas ruins. Me parece que com frequência as pessoas esquecem o quão ruins são as coisas ruins da vida.

Há numerosas evidências psicológicas de que a gente superestima a qualidade de vida, pensa que é melhor do que na verdade é. Outro erro frequente é pensar no futuro e não se dar conta da quantidade de sofrimento que muito provavelmente as pessoas terão no fim de suas vidas.

Pense em como as pessoas morrem, pense no câncer, nas enfermidades infecciosas, nas doenças. Há muito sofrimento ao final da vida, muito. E muitas pessoas se esquecem disso.

BBC – Mas se você estiver certo e efetivamente a vida for tão terrível, as pessoas deveriam sempre recorrer ao suicídio, não?

David Benatar – Sim, mas o suicídio, em primeiro lugar, tem um custo que você evitaria se não chegasse a nascer. Se uma pessoa não nascesse, se nunca existisse, evitaria passar por coisas ruins da vida.

O suicídio pode ser o menor dos males, mas segue sendo um mal. Mas mesmo que algo esteja mal, a pessoa segue querendo não morrer, a maioria continua com sua existência. Outro custo do suicídio é que ele gera dor e sofrimento nas pessoas que gostam de você.

 

Filósofo David Benatar acredita que os seres humans experimentam um sofrimento inevitável e brutal ao longo da vida

BBC – Mas a reprodução é algo natural para o ser humano. O antinatalismo não é portanto antinatural?

David Benatar – Nem tudo que é natural é bom. Ficar doente, por exemplo, é algo completamente natural. Mas, mesmo sendo natural, as pessoas são aconselhadas a se tratar com remédios ou realizar cirurgias.

A agressão também é uma forma de expressão natural entre os seres humanos e outros animais, mas não parece uma coisa boa ceder a ela ou a outros tipos de impulsos naturais.

O que é natural e o que é moral ou eticamente desejável e recomendável são coisas diferentes.

BBC – Então, para você, o aborto é algo ética ou moralmente defensável?

David Benatar – Sim, naturalmente. O antinatalismo defende que é um horror trazer novas pessoas ao mundo, e o aborto é um dos meios para evitar isso.

BBC – Nós, seres humanos, não somos os únicos a sofrer, muitos animais levam vidas muito difíceis. O que fazemos com eles? Nós devemos exterminá-los para salvá-los da dor da experiência?

David Benatar – Há uma enorme diferença entre exterminar e se extinguir por morte natural. Exterminar seria matar, e não sou a favor de matar seres humanos nem animais. Talvez existam algumas raras exceções e cenários que poderíamos considerar.

Mas, no geral, não apoio que se mate pessoas ou animais. Mas sou a favor da extinção, e um dos modos de fazer isso seria não dar vida a novos seres.

No caso dos animais, há muitos que vivem em liberdade, que não são criados por seres humanos. Mas há muitos que são, como aqueles criados em granjas – que mantemos para matarmos depois e comer. A respeito deles, nós estamos provocando um sofrimento indizível, acho que não deveríamos criá-los. Nós podemos nos alimentar perfeitamente sem eles.

BBC – No lugar de extinguir a raça humana e de deixar de trazer novos filhos ao mundo, não poderíamos melhorar o mundo para que a vida seja menos dura?

David Benatar – Bom, eu creio que sempre estamos melhorando o mundo e que nós, que existimos, deveríamos sempre fazer de tudo para melhorá-lo.

Mas é excessivamente otimista pensar que vamos melhorar o mundo até o ponto de eliminar o sofrimento e que nossos filhos estarão livres de sentir a dor implícita à vida. Seria algo tão distante no futuro que implicaria muitas gerações, gerações que iriam sofrer a dor de terem sido trazidas a este mundo.

E sacrificar gerações em nome do futuro me parece algo indecente.

 

A maioria das pessoas recorda mais de coisas boas dos que ruins, por isso a qualidade de vida é superestimada, segundo filósofo

Para ver a entrevista completa acesse o site Terra