A mulher do ano de 2017

0
792

Recentemente a revista masculina GQ anunciou que a mulher do ano de 2017 foi a cantora Anitta. Quais foram os valores ou critérios que levariam a essa escolha? Lembrando que o ano de 2017 ficou marcado pelo caso da professora Heley de Abreu, que acabou morrendo ao salvar crianças de incêndio na creche em Janaúba.



“Minas Gerais – Chega a sete o número de mortos pelo incêndio na creche em Janaúba, interior de Minas Gerais, causado pelo segurança do local nesta quinta-feira. As vítimas são uma professora que tentou impedir a ação, quatro crianças e o próprio segurança. Damião Soares Santos, de 50 anos, jogou álcool no seu corpo e nos alunos e logo depois ateou fogo. O menino que morreu na noite desta quinta estava a caminho de Belo Horizonte para atendimento e foi identificado como Renan Nícolas. Ele teve 90% do seu corpo queimado.” Trecho da reportagem publicada no site O dia.

A grande mídia vive em um mundo paralelo à realidade da maioria das pessoas, chega a ser engraçado como conseguem ignorar certos aspectos do cotidiano das pessoas e literalmente vender um mundo que não existe.

“A sétima edição do prêmio Men of the Year, concedido pela revista masculina GQ, que conta com 16 categorias, entre elas apenas uma feminina, acaba de anunciar a Mulher do Ano de 2017: a cantora Anitta. A artista, que neste ano se projetou e muito no cenário musical internacional, já confirmou presença na festa do dia 30. A cerimônia, pela primeira vez, será realizada em São Paulo em vez de no Rio de Janeiro.” Trecho da postagem feita no site ÉPOCA
Inline

Tanto a fama quanto as grandes personalidades da mídia são construídas como blocos em um muro, são colocados e mantidos enquanto geram dinheiro e quando deixam de produzir riqueza, são simplesmente descartados e rapidamente substituídos para que a população nem ao menos se lembre quem foram.

A professora, que foi considerada uma heroína e exaltada em todos os cantos pelo que fez, acabou não morrendo para salvar as crianças, mas sim para produzir dinheiro. Enquanto o tema de sua morte rendeu, ela foi lembrada, mas hoje não rende mais e o Brasil nem se lembra mais que ela existiu.

Uma única chance de uma real demonstração de admiração e repeito para quem foi Heley de Abreu e seu ato de coragem para salvar crianças em uma creche em chamas foi desperdiçado.  Heley de Abreu foi considerada heroína por que fez a coisa certa quando foi preciso, pois a grande maioria de nós, em nossa covardia, não faríamos nada além de agradecer por não sermos nós naquela situação.

A minha mulher do ano de 2017 é  Heley de Abreu.

Provocações Filosóficas.

Anúncios