Se você olha para a vida de outra pessoa e se pergunta o por quê de você não ser tão bem resolvido quanto ela, respire e reflita.


Assim, o lado bom de se morar em diversas cidades é que você acaba convivendo com muita gente diferente e acaba percebendo que, no fundo, elas são muito parecidas em alguns aspectos.

Inline

Nessas indas e vindas, também já tive várias fases e modos de agir; Em certos momentos eu me expressava bastante – contava tudo; em outros eu me calava – guardava tudo. Troquei confidências – falei e ouvi bastante. Observei um bocado. Li filosofia, auto-ajuda, crônica, gibi, artigo científico. Digeri algumas coisas, outras ainda reverberam volta e meia.

Diante disso, hoje, pode até ser que eu mude de opinião logo mais, mas hoje, eu percebi que, embora cada ser seja um universo particular, as pessoas são bem parecidas em alguns sentidos. No fundo todo mundo é meio mal resolvido e tudo bem!

É, é exatamente isso. De psiquiatra a psicólogo. De coach a guru. De escritor a filósofo. De monge a pastor. Dos doutos aos menos estudados. Todo mundo, num dado momento, titubeia em relação a si mesmo.

Ando lendo muito texto (bacana ou não) em que se fala em amor-próprio e autoestima. É a bola da vez, afinal! E, no entanto, concluí que todo mundo vive numa corda bamba quanto a isso.

Muita gente dizendo que “o que precisa mesmo é se amar primeiro depois você consegue amar o outro”; “Autoconhecimento é a chave” ou, então, “que somente quem tem a estima elevada é que consegue se entregar para o outro” e blá, blá.

Vá lá… Acho isso muito bonito de ler, mas deixemos a hipocrisia de lado – nunca atingiremos essa segurança toda! Aliás, acho que a vida perderia um pouco a graça se não sentíssemos essa adrenalina que há na busca por respostas – os questionamentos, os dilemas da vida, enfim.

Então meio que relaxei. É! E se você, por acaso, não anda legal nesse sentido, relaxe também! Ninguém é tão bem resolvido assim que volte e meia não se sinta meio inseguro diante das novidades da vida, ou meio culpado diante de tantos erros ou, quem sabe, meio decepcionado consigo mesmo por não estar exatamente no lugar que sonhou um tempo atrás. É assim mesmo…

A gente vai vivendo e construindo a estrada conforme vamos caminhando. Pessoas entram e saem de nossas vidas o tempo todo. Planejamos, almejamos, sonhamos, projetamos, mas – no fundo – seguimos cheio de dúvidas, sempre tentando acertar.

No fim, todo mundo é meio mal resolvido e isso é humano, bem humano.